Ortografias Fotográficas

Pomposo nome para um workshop do evento “Floripa na Foto”, com Walter Firmo, o mestre da cor.

A proposta era partir de um texto literário para a narrativa fotografica. Um exercício inovador, cheio de possibilidades e desafios! Entre muitos trechos de obras conhecidas e a exibição de fotografias pouco convencionais, onde nada era óbvio, a construção de uma história atraves de imagens incitava ao exercício criativo.

Um grupo de perplexos fotógrafos resolveu, já que não havia outra opção, encarar a inusitada pauta.

Entre os textos sugeridos um despertou meu interesse “A Alma Simples dos Marítimos e Roceiros Catarinenses”, do escritor local Virgílio Várzea. Acredito que foi devido as leituras que fiz, aos documentários que assistí e a idéia que criei em minha mente sobre essa gente: povo do mar, com vocação náutica, de passado  grandioso, jeito simples, com idéias e convicções marcantes. 

Percebi, ao sair do evento, já noite alta, que o tempo havia mudado bastante. A chuva fina, típica do início de uma frente fria, torna-se uma respeitável tempestade. Ventos fortes, alta intensidade pluviométrica, a cidade completamente sem energia, vários bairros alagados, alguns desmoronamentos e o caos das grandes cidades indefesas frente as manifestações da natureza. No hotel, água por todos os lados, velas que apagavam a todo momento, telefones mudos…não havia muito o que fazer.

Pensando na proposta do workshop, no texto que acabara de ler, na conversa com o motorista do táxi que me levou ao hotel e relatou a confusão que se instaurara na ilha, resolvi aproveitar o momento. Subi ao quarto com vista para a explêndida Baia Sul, abri a porta da varanda e ao me deparar com aquela paisagem caótica resolvi  fotografar o texto.

“Nessa noite tudo gelava . Choviam os comentários com o regozijo inesperado do aparecimento do navio que já contavam perdido, lembrando-se do Gaivota que, de uma feita, indo para a Costa, desaparecera por esses mares de Deus!

Depois de ler esta parte do texto abri um vinho tinto, peguei minha companheira de viagem (uma Pentax) e juntos, passamos a viajar na história desse barco, que após um longo tempo de mar regressava a ilha.

O exercício consistia em “produzir” cinco fotografias a partir de um determinado texto que lhe inspirasse e aqui, depois de muitas tentativas e esforço de edição, vão as minhas:

 

Na manhã do outro dia (quarta-feira, 19/05/2010) descobri ao ler os jornais locais que presenciara um “ciclone extratropical”. Foi então que me dei conta da oportunidade e impresivibilidade de certos acontecimentos em nossas vidas. Obrigado mestre Firmo!!!

http://www.climatempo.com.br/destaques/2010/05/19/florianopolis-enfrenta-7-h-de-ventania-e-mais-de-30-h-de-chuva/

http://www.jusbrasil.com.br/politica/4835769/temporal-afeta-50-mil-pessoas-em-santa-catarina

http://www.jusbrasil.com.br/politica/4830009/ventos-de-80-km-h-fecham-aeroporto-de-florianopolis 

http://www.maresia.com.br/wqs2010_floripa/noticia/maresia-surf-international-come%C3%A7-com-grandes-ondas-em-floripa


About this entry